top of page
Buscar

Doenças ultra-raras e a necessidade de inventar um novo modelo de negócios

A AFM-Telethon afirma estar se empenhando para inventar um novo modelo de negócios adaptado às especificidades do desenvolvimento e comercialização de medicamentos para doenças ultra-raras, a preços justos e controlados (palavras utilizadas no site da AFM-Telethon, 9 de junho de 2022, ou em seu relatório anual e financeiro 2019).


A que novo modelo de negócio se refere a AFM-Téléthon?

Sem tentar cobrir todos os aspectos de uma questão de grande relevância para a inovação social farmacêutica (SPIN), vamos examinar os principais pontos do argumento desenvolvido pela AFM-Téléthon.


Mas primeiramente algumas breves palavras sobre a AFM-Telethon. Há 30 anos, esta associação francesa de pacientes tem sido proativa na luta contra as distrofias musculares e, mais amplamente, contra as doenças raras. As suas ações incluem, para além do ativismo a nível nacional e europeu (por exemplo, a AFM-Téléthon é membro fundador da Aliança Francesa de Doenças Raras e da Eurordis, a coalizão europeia de associações de pacientes com doenças raras): o financiamento da investigação, a criação e /ou financiamento e cofinanciamento de infraestruturas dedicadas à pesquisa, desenvolvimento e produção de novos medicamentos, em particular terapia gênica (por exemplo, Genethon, empresa especializada na identificação de alvos genéticos, concepção e fabrico de produtos de terapia gênica e seu desenvolvimento pré-clínico e clínico, ou sua própria empresa farmacêutica, Yposkesi, da qual o grupo coreano SK é hoje o acionista majoritário).


Rara e Ultra-Rara


O que significa o termo "ultra-rara"?

Várias formas de defini-la podem ser encontradas, por exemplo, considerando que um estudo comparativo canadense sobre submissões de Avaliações de Tecnologias em Saúde (ATS) propõe distinguir doenças raras e ultra-raras de acordo com sua prevalência (ou seja, > 1 e ≤ 50 pacientes por 100 mil versus ≤ 1 paciente por 100 mil pessoas) (Richter et al., 2018). Para a norte-americana n-Loren Foundation significa “pacientes com uma mutação única para eles (um n = 1) ou com uma mutação que foi identificada como causadora de doença em menos de 30 pacientes em todo o mundo e, portanto, está fora do alcance dos programas tradicionais de medicamentos comerciais” (Crooke, 2021).


O termo "ultra-rara", usado pela AFM-Telethon, fornece uma perspectiva mais dinâmica e parece, de fato, a constatação de uma falha. Ela decorre da visão de que os mecanismos e incentivos existentes destinados a promover o desenvolvimento de medicamentos e o acesso ao tratamento de doenças raras atingiram seus limites.


O site da AFM-Telethon afirma que as doenças raras “representam um grande desafio em termos de modelo de desenvolvimento, desenho de ensaios clínicos e modelo de negócios. Os mecanismos habituais de marketing são inadequados e os atores que, nos últimos anos, foram pioneiros nessas doenças, estão gradualmente se concentrando nas doenças raras mais comuns ou nas patologias comuns” (AFM-Téléthon website, 9 de junho de 2022; Tiennot-Herment 2018).


Esse movimento de reorientação deixou as doenças raras de lado, e priorizou as doenças ultra-raras. Segundo a AFM-Téléthon, as doenças ultra-raras representam 85% das doenças raras (AFM-Téléthon, 9 de junho de 2022).


Uma necessidade de dar conta da imbricação entre inovação científica, desenvolvimento industrial e sustentabilidade do sistema de saúde


Inventar um novo modelo de negócio é uma alternativa que a organização vem defendendo há anos.


A afirmação da AFM-Telethon de que isto é urgentemente necessário é baseada na sua experiência passada e em uma avaliação crítica da situação atual na França e na Europa.


Se não há modelo de negócio para o desenvolvimento de terapias inovadoras para doenças ultra-raras, é porque na França, como na Europa, não existe financiamento público nem mesmo privado com fins lucrativos e o desenvolvimento depende de recursos públicos (notadamente provas de conceito de financiamento) (Tiennot-Herment, 2018; AFM-Telethon, 21 de fevereiro de 20222).


A AFM-Telethon denuncia a inação dos dirigentes europeus e nacionais, a ausência de uma política proativa para o desenvolvimento da inovação terapêutica e a apatia de investidores privados europeus. Descreve um ciclo contraproducente que não é apenas prejudicial para os pacientes (perda de oportunidade) (AFM-Telethon, 21 de fevereiro de 2022), mas também para pesquisa, P&D, indústria farmacêutica e para o sistema de saúde:


Apesar da “excelência da pesquisa francesa, e mais amplamente europeia”, a insuficiente “cultura de avaliação” (em particular, na França) faz com que inovações criadas em laboratórios acadêmicos, ou financiadas com recursos públicos, sejam valorizadas no exterior (Tiennot -Herment, 2018).


“É o mundo que está de pernas para o ar. Fala-se frequentemente sobre a reindustrialização da França, mas é possível que daqui a 10 anos a maioria das conquistas da terapia gênica sejam desenvolvidas e produzidas fora da França, mesmo que tenham sido projetadas aqui. Existe um risco significativo de que essas inovações sejam comercializadas a preços exorbitantes por empresas americanas, algo com que nossos sistemas de saúde podem ter dificuldade de arcar", diz o presidente da AFM-Telethon, Laurence Tiennot-Herment (Barret, 19 de fevereiro de 2022 , JDD).


Ou pior, corre-se o risco de não se ter acesso a drogas, como exemplificado por Skysona. Esta terapia gênica para adrenoleucodistrofia ligada ao X, “derivada como muitas outras, de pesquisas realizadas por equipes francesas (Dr. Cartier-Lacave/Pr. Aubourg, Inserm) com o apoio do Telethon”, é comercializada pela empresa norte-americana Bluebird Bio . Após a Skysona receber uma autorização de comercialização da European Medicines Agency (EMA), em julho de 2021, a empresa decidiu em outubro daquele ano restringir sua distribuição aos EUA, tornando-a indisponível na Europa (AFM-Telethon, 21 de fevereiro de 2022).


A falta de investidores franceses ou europeus para projetos inovadores iniciados na França, tanto industriais (como a AFM-Telethon encontrou na busca de uma parceria necessária para desenvolver Yposkesi) quanto clínicos (como foi o caso de Skysona), é um grande desafio.


"Estamos, portanto, condenados ao eterno dilema: abandonar as inovações feitas na França nos armários de nossos laboratórios de pesquisa ou vê-las se tornarem medicamentos nos EUA ou na Ásia?", pergunta a AFM-Telethon provocativamente (21 de fevereiro de 2022).


Talvez um dos aspectos mais marcantes dessa crítica seja também o apelo que ela inclui para não se lidar com cada problema isoladamente, mas sim levar em conta a imbricação entre inovação científica, desenvolvimento industrial e sustentabilidade do sistema de saúde (em particular preservando a cobertura para cuidados médicos de alto custo). A AFM-Telethon apela aos dirigentes nacionais e europeus para o desenvolvimento de políticas públicas que “criem, no nosso território, todas as condições para que a investigação, o desenvolvimento e a valorização sejam organizados e implementados” (Tiennot-Herment, 2018).


O CEO da Genethon, Frederic Revah, dá um exemplo da inventividade e da iniciativa multiparceiros necessária para trazer uma solução nacional para o problema do alto custo de certas terapias genéticas, cuja produção chega hoje a várias centenas de milhões de euros por dose única.


Não há o que esperar, segundo ele, de economias de escala. "Só inovações fundamentais em virologia e biologia celular farão baixar os preços. Em suma, temos de passar da vela para o LED. Trata-se de uma pesquisa aplicada multidisciplinar e nada tem a ver com a passagem da produção artesanal à escala industrial ... Estão para ser inventados novos empregos, uma bioengenharia aplicada à produção. Encorajamos o desenvolvimento deste novo setor na França. (...) Esperamos a criação de um instituto dedicado à inovação em bioprodução para terapia gênica. Entretanto, devemos agir rapidamente. Iniciativas estão sendo tomadas em outros países.” (Noussenbaum, 07/09/2020).

Valor e avaliação


O desafio de inventar um modelo de negócio pensado para o território europeu passa por repensar as questões de valor e valoração dos medicamentos. A visão de que a questão do valor econômico dos medicamentos para doenças ultra-raras também precisa ser abordada ampliando-se o foco há muito tempo é defendida pelo AFM-Telethon.


Como afirma o CEO da Généthon Frédéric Revah (Tabela 4, 2014) “O valor econômico dos produtos de terapia gênica - e da pesquisa de doenças raras em geral - vai muito além do valor do produto em si. Como analogia, eu diria que ir à lua não tem interesse econômico. No entanto, os benefícios desta aventura humana são consideráveis ​​no transporte aéreo, no campo espacial, etc. O mesmo vale para as doenças raras. As doenças raras são, de fato, um trampolim para as doenças frequentes, as primeiras obrigando-nos a realizar inovações de ponta, o que terá um efeito sobre as últimas. Seria um grande erro restringir a análise econômica de doenças raras ao mercado de produtos individuais. Certamente, o valor econômico geral da pesquisa de doenças raras deve ser compreendido para além do mercado específico para um determinado produto”.


A AFM-Telethon pede uma revisão geral dos mecanismos de precificação de medicamentos, argumentando que seu valor isolado não deve ser o único critério considerado.


“No sistema atual, para um ASMR equivalente [i.e. melhoria no serviço médico oferecido pelo medicamento, que faz parte do ATS, e serve de base para negociação de preços], um produto derivado de reposicionamento (repurposing) e uma inovação terapêutica de ponta devem obter o mesmo preço, o que é inconcebível. Da mesma forma, uma inovação revolucionária que permite um tratamento de dose única, como a terapia gênica, não pode ter o mesmo preço de um tratamento recorrente. Por isso, é preciso inovar também nesta área, usando outros critérios.”


Entre os pontos a serem considerados nesse processo de revisão está a transparência que precisa ser desenvolvida entre todas os stakeholders; ou o fenômeno da "jurisprudência". Este refere-se à circunstância em que, quando uma droga de uma nova classe é desenvolvida (por ex. terapia gênica) e suas primeiras representantes obtêm um preço significativo, todos os medicamentos da mesma classe seguem e demandam o mesmo nível de preço (Tiennot-Herment, 2018).


Construindo um modelo inovador de cooperação público-privada


A luta da AFM-Telethon pode ser vista na perspectiva de uma dinâmica em que o projeto realizado há 30 anos para contribuir com a produção de tratamentos para doenças raras tem sido parcialmente bem-sucedido, pois os tratamentos existem e estão sendo desenvolvidos.


E se as doenças ultra-raras devem entrar em cena e voltar ao jogo para enfrentar o mercado de medicamentos, elas precisam de um modelo de negócios. Uma das principais características do modelo de negócios defendido pela AFM-Telethon é melhor descrita no site da Genethon como “um modelo inovador de cooperação público-privada entre empresas farmacêuticas, laboratórios sem fins lucrativos e instituições públicas, para financiar o desenvolvimento de inovações terapêuticas e disponibilizar esses tratamentos aos pacientes” (Genethon, 28 de fevereiro de 2022).

 

Referências


AFM-Telethon. Les Maladies rares exclues de l’innovation thérapeutique : Il est urgent d’agir face à l’inacceptable ! [Doenças raras excluídas da inovação terapêutica: é necessária uma ação urgente contra o inaceitável!]. Publicada no seu website em 21.02.2022. Acesso em 12.10.2022.


AFM-Telethon. Agir pour les maladies rares [Ação para doenças raras]. Publicada no seu website em 9.6.2022. Acesso em 12.10.2022.


AFM-Telethon. Des ressources diversifiées. Rapport annuel et financier 2019 [Recursos diversificados. Relatório anual e financeiro 2019]. Acesso em 12.10.2022.


Barret Anne-Laure. La présidente de l’AFM-Téléthon au JDD : « On prive des enfants de traitement pour des raisons commerciales ». [O Presidente da AFM-Telethon ao JDD: “As crianças são privadas de tratamento por razões comerciais”]. Le Journal du Dimanche, February 19, 2022. Acesso em 12.10.2022.


Crooke Stanley T. A call to arms against ultra-rare diseases. Nature Biotechnology, 2021; 39, 671–677.


Genethon. Thérapie génique et maladies rares : des défis complexes, un enjeu mondial [Terapia gênica e doenças raras: desafios complexos, uma questão global]. Publicada no seu website em 28.02.2022. Acesso em 12.10.2022.


Noussenbaum Gilles. Frédéric Revah (Généthon) : « Qui avait prévu une telle inflation des prix ? » [Frédéric Revah (Genethon): "Quem previu tal inflação de preços?]. Décision & Stratégie, 09/07/2020.


Richter Trevor, Janoudi Ghayath, Amegatse William & Nester-Parr Sandra. Characteristics of drugs for ultra-rare diseases versus drugs for other rare diseases in HTA submissions made to the CADTH CDR. Orphanet Journal of Rare Diseases, 2018; 13, Artigo número: 15.

Table ronde 4: Faut-il de nouveaux modèles économiques ou outils de financement pour accélérer le développement de nouveaux traitements des maladies rares ? [Mesa redonda 4: São necessários novos modelos de negócios ou ferramentas de financiamento para acelerar o desenvolvimento de novos tratamentos para doenças raras?]. RARE 2013 – Les Rencontres Eurobiomed des Maladies Rares : L’innovation et les partenariats au service des malades [O Encontro Eurobiomed sobre Doenças Raras: Inovação e parcerias em benefício dos pacientes], 3rd edition, Montpellier, France, 28 e 29 de novembro, 2013. Médecine/sciences, 2014; 30 (hors série n° 1) : 47-53.


Tiennot-Herment Laurence.Les besoins en recherche et développement pour les maladies rares : le point de vue des malades [Necessidades de mais P&D no domínio das doenças raras: o ponto de vista dos pacientes]. Médecine/sciences, 2018 ; 34 (hors série n° 1) : 48-49.


Crédito da foto : Nikki Pirch (2008). Full moon. (CC BY-NC 2.0)

 

Escrito por: Florence Paterson

Publicado originalmente em 21.10.2022.

2 visualizações0 comentário
bottom of page